Campanhas Facebook

Iniciámos com o vídeo “o que todos pagamos”, uma série de campanhas dedicadas à rede social Facebook. São vídeos de curta duração que transmitem uma mensagem simples, mas por vezes irónica ou surpreendente. Editados em formato quadrado, estão optimizados para o visionamento em smartphones.

Vídeo #1 “o que todos pagamos”

 

Este vídeo tem cerca de 1 minuto de duração e apresenta três mensagens escritas:

  1. o que nos vendem” mostra como o marketing automóvel é muito sedutor na transmissão da ideia de sucesso, aventura, erotismo, adrenalina, liberdade e evasão. Os automóveis são geralmente apresentados em estradas desertas com magníficas paisagens ou então em ruas iluminadas à noite, geralmente desertas. São conduzidos por gente jovem, feliz e sedutora;
  2. o que compramos” na realidade conduzimos os nossos automóveis em ruas e estradas geralmente com demasiado tráfego, num ambiente socialmente agressivo e onde nem todos são assim tão sedutores;
  3. o que todos pagamos” um modelo rodoviário que nos agride física e psicologicamente. Inalamos gases e partículas nocivas à nossa saúde e somos vítimas da sinistralidade.

 

Vídeo #2 “acidente”

 

Este vídeo com a duração de 20 segundos, conta com a colaboração do escritor e professor Rui Zink, através de uma frase irónica.
Porque na linguagem comum associamos à palavra acidente uma ideia de destino, fatalidade, má sorte, imprevisibilidade e ausência de culpa ou responsabilidade, propomos a troca da palavra acidente pelo desastre, atropelamento, sinistro, choque, capotamento, despiste. Ou seja, em linguagem popular, “chamar os bois pelos nomes”.

 

Vídeo #3 “Baixa sem carros”

 

Com a duração de 50 segundos, pretende promover o debate para a possibilidade do fecho da baixa pombalina em Lisboa, a todos os automóveis particulares.

 

Vídeo #4 “O engarrafamento”

 

Com a duração de 33 segundos, mostra uma instalação artística num museu que replica um engarrafamento de trânsito – uma bizarria do século XX.